Just another WordPress.com weblog

Fique por dentro!

Os Anjos são espíritos ministradores, enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação. Hb 1:14

Não recebem adoração, recebem ordens da parte de Deus, são conservos daqueles que mantém o testemunho de Jesus. Ap 19.10

Não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos.

Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.

Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.

Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca. Isaias 53

Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo.

Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados. Hb 2:17.18

Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos. Hb 2:9

Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação;

E para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra. Ap. 5:9,10

Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças. Ap 5:12

Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro. Ap 7:10

Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a sua voz,

Não endureçais os vossos corações Hb 3:7

A visão da Obra de Deus

Quando entregamos a nossa vida à Cristo e escolhemos viver para Ele, é como se estivéssemos nos alistando para sermos soldados de uma guerra. O Senhor conta com cada um de nós para que o seu reino seja divulgado até os confins da terra, mas muitas vezes, por conta da correria do dia – a – dia moderno, nós não conseguimos separar um tempo para nos dedicarmos à obra do Senhor.

Jonas, o profeta menor com uma missão maior

“O Senhor ordenará a Jonas ir à Ninive, clamar contra ela, por que a malicia daquele povo tinha subido até a presença do Senhor, mas Jonas, em desobediência a ordem de Deus, foi para Társis, destino oposto de seu chamado”. Construída por Nirode, a cidade de Ninive era a capital da Assíria e residência de vários reis assírios, era uma nação pagã de costumes contrários à vontade do nosso Deus.
Humanamente, é fácil compreender o medo de Jonas, aquele era uma povo bárbaro, sem regras e sem pudor. Enquanto outros profetas do mesmo tempo de Jonas, como Amós, Oseías, Isaias eram destinados à pregar em Israel, Jonas tinha sido destinado a uma missão dura, mas que Deus sabia que ele poderia cumprir.
“Em fuga da presença do Senhor, Jonas entra no barco rumo à Társis, mas o Senhor lançou sobre o mar uma grande tempestade, e o navio estava a ponto de despedaçar. Então os marinheiros lançaram sortes para saber por que sobreveio à eles este mal. E a sorte caiu sobre Jonas.
E então cheios de medo, os marinheiros perguntaram o que deveriam fazer e Jonas disse que deveria ser lançado ao mar, e então levantaram a Jonas e o lançaram ao mar, e o mar cessou a sua fúria.”
Nesse momento Jonas tinha compreendido que a sua rebelião contra Deus havia colocado todos que estavam a bordo do navio em perigo. Deus tem muitos meios de chamar a nossa atenção. A admissão da culpa foi o primeiro passo de Jonas para voltar a Deus.
A palavra continua dizendo que, o “Senhor tinha deparado um grande peixe para que tragasse a Jonas, e esteve Jonas três dias e três noites no ventre do peixe. Então Jonas, do ventre do peixe, orou ao Senhor, seu Deus”. Deus mostra o seu poder em fazer milagres, Deus interferiu em meio a natureza, para desafiar a desobediência de Jonas e livrá-lo da morte.
Embora Jonas tivesse desobedecido a Deus ele teve outra oportunidade de ir a Ninive, e atender o chamado de Deus. Isso ilustra o fato de Deus salvar os que não merecem e oferecer uma segunda chance de serviço.
“Veio a palavra do Senhor, segunda vez, a Jonas, dizendo: Dispõe-te, vai à grande cidade de Ninive e proclama contra ela a mensagem que eu te digo. Começou Jonas a percorrer a cidade caminho de um dia, e pregava, e dizia: Ainda quarenta dias e Ninive será subvertida.
Os ninivitas creram em Deus e proclamaram um jejum, e vestiram-se de panos de saco, desde o maior até o menor. Viu Deus o que fizeram, como se converteram do seu mal caminho, e Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes faria e não o fez. Quando estamos dispostos a mudar a nossa vontade, Deus dispõe –se a mudar também.”

O Descontentamento de Jonas

“Com isso, desgostou-se Jonas extremamente e ficou irado. E orou ao Senhor e disse: Ah! Senhor! Não foi isso o que eu disse estando ainda na minha terra? Por isso, me adiantei, fugindo para Társis, pois sabia que és Deus clemente, e misericordioso, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e que se arrepende do mal. Peço-te, pois, ó Senhor, tira a minha vida, por que melhor é morrer do que viver.” Jonas achava que Deus devia destruir os ninivitas, preferia morrer a viver para assistir à salvação daquela nação pagã. Não parecia justo que Deus perdoasse os rebeldes assírios, embora tivesse perdoado à Jonas, um profeta rebelde. Era irônico que Jonas desejasse morrer, quando acabou de ficar tão grato por ter sido salvo da morte. A lógica humana questiona a justiça quando o mal é esquecido. Mas, ao fazer isso deixa de ver que, se o mal não fosse perdoado pela graça, todos teriam sido destruídos, TODOS.

A lição do Senhor

“Então fez o Senhor Deus nascer uma planta, que subiu por cima de Jonas para lhe fazer sombra sobre a sua cabeça, a fim de livrá-lo do desconforto. Jonas, se alegrou em extremo por causa da planta.
Mas Deus no dia seguinte, ao subir da alva, enviou um verme, o qual o feriu a planta, e esta secou. Em nascendo o sol, Deus mandou um verme calmoso oriental, o sol bateu na cabeça de Jonas, de maneira que desfalecia, pelo que pediu para si a morte, dizendo: Melhor me é morrer do que viver!
Então perguntou Deus a Jonas: É razoável essa tua ira por causa da planta? Ele respondeu:É razoável minha ira até a morte. Tornou o Senhor: Tens compaixão da planta que te não custou trabalho, a qual não fizeste crescer, que numa noite nasceu e numa noite pereceu; E não hei de Eu ter compaixão da grande cidade de Ninive, em que há mais de cento e vinte mil pessoas, que não sabem discernir entre a mão direita e a mão esquerda, e também muitos animais?”

A Tua visão, Senhor

PARA O QUE VOCÊ FOI CHAMADO?

Cada ser humano tem um propósito de Deus em sua criação. A unção sobre a nossas vidas está na proporção em que discernimos qual o propósito de Deus para nós. O lugar da sua realização é o lugar do propósito de Deus a você. É ali que você encontrará unção necessária e poder para exercer o SEU chamado. Aquele para o qual Deus te criou.
Por duas vezes Jonas se recusou a aceitar a vontade de Deus, e preferiu seguir sua própria vontade, mas o nosso Deus em sua infinita misericórdia, mostrou o caminho certo, a qual deveria seguir.
Que nesses dias tão difíceis, nós possamos olhar para o Senhor e aceitar o propósito D’ele para as nossas vidas. Por mais penoso que possa parecer, Ele estará sempre disposto a nos ajudar em nossas missões.

Feliz Dia do Amigo!

Amizades são uma parte importante da nossa vida. Desde a criação do primeiro casal, Deus mostrou a necessidade do companheirismo na vida humana. Em famílias, igrejas e comunidades criamos laços de amizade. Precisamos compartilhar a vida com outras pessoas.
Na Bíblia, Deus nos orienta sobre amizades. Ele fala do valor dos bons amigos e adverte-nos sobre os perigos dos companheiros errados. Ele oferece instrução e apresenta exemplos que nos ensinam. Estas orientações valem para os jovens que ainda estão escolhendo o seu rumo, e também ajudam os adultos no seu caminho pela vida.
Instruções sobre amizades
As Escrituras nos orientam sobre a escolha e o tratamento dos nossos amigos. Amigos têm muita influência em nossas vidas: “O justo serve de guia para o seu companheiro, mas o caminho dos perversos os faz errar” (Provérbios 12:26). Por este motivo, a escolha de companheiros é um assunto de grande importância: “Quem anda com os sábios será sábio, mas o companheiro dos insensatos se tornará mau” (Provérbios 13:20). No final de contas, nossas escolhas não envolvem apenas pessoas, mas decidem a nossa direção na vida e na eternidade. Tiago frisou bem este fato quando perguntou: “Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tiago 4:4). O mesmo livro fala de um homem de grande fé que rejeitou os caminhos errados de outros homens e mostrou a sua lealdade ao Senhor. O resultado desta escolha de Abraão? “Foi chamado amigo de Deus” (Tiago 2:23). Devemos escolher bons amigos que nos ajudarão, especialmente em termos espirituais.
É fácil escolher mal. Muitas pessoas que não amam a Deus e não respeitam a palavra dele nos oferecem a sua amizade. Às vezes, podemos influenciar tais pessoas pela nossa fé e o exemplo de uma vida reta. O próprio Jesus fez questão de ter contato com pecadores, oferecendo-lhes a palavra eterna da salvação (Lucas 15:1; Mateus 9:10-13). O perigo vem quando não confessamos a nossa fé no meio de uma geração perversa (Marcos 8:38). Ao invés de conduzir outros a Cristo, deixamos as más influências nos corromperem.
Algumas pessoas querem nos induzir a pecar contra Deus. “Filho meu, se os pecadores querem seduzir-te, não o consintas. Se disserem: Vem conosco, embosquemo-nos para derramar sangue, espreitemos, ainda que sem motivo, os inocentes; traguemo-los vivos, como o abismo, e inteiros, como os que descem à cova; acharemos toda sorte de bens preciosos, encheremos de despojos a nossa casa; lança a tua sorte entre nós; teremos uma só bolsa. Filho meu, não te ponhas a caminho com eles; guarda das suas veredas os pés; porque os seus pés correm para o mal e se apressam a derramar sangue” (Provérbios 1:10-16). Infelizmente, observamos a mesma tragédia espiritual na vida de muitas pessoas hoje. Quantos jovens são induzidos a usar drogas, ou até de se tornar traficantes, pela influência de “amigos”? Quantos se integram a gangues e acabam cometendo vários tipos de crime?
Algumas amizades precisam ser totalmente evitadas:”Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores” (Salmo 1:1). Quando outros querem nos conduzir ao erro, precisamos sair correndo: “Foge da presença do homem insensato, porque nele não divisarás lábios de conhecimento. A sabedoria do prudente é entender o seu próprio caminho, mas a estultícia dos insensatos é enganadora. Os loucos zombam do pecado, mas entre os retos há boa vontade” (Provérbios 14:7-9).
Alguns dos amigos mais perigosos são aqueles que sempre concordam conosco, apoiando-nos mesmo nas coisas erradas. “Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir a canção do insensato” (Eclesiastes 7:5). O amigo verdadeiro nos corrige, e a pessoa sábia procura ter amigos com coragem e convicção para a repreender quando for necessário. Por outro lado, o insensato evita pessoas que corrigem e criticam, procurando aprovação acima de sabedoria. “O escarnecedor não ama àquele que o repreende, nem se chegará para os sábios… O coração sábio procura o conhecimento, mas a boca dos insensatos se apascenta de estultícia” (Provérbios 15:12,14). Ninguém gosta de ser corrigido, mas todos nós precisamos de amigos que nos amam tanto que mostram os nossos erros: “Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto. Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos” (Provérbios 27:5-6).
Paulo mostrou aos coríntios que, mesmo entre pessoas religiosas, é necessário evitar influências negativas: “Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes” (1 Coríntios 15:33). No caso dos coríntios, alguns irmãos estavam espalhando doutrinas falsas, negando a ressurreição dos mortos. O fato de alguém participar de uma igreja ou se dizer cristão não é garantia de uma amizade saudável e edificante. Alguns aproveitam a amizade para induzir outros a aceitar doutrinas e religiões falsas. Moisés avisou sobre parentes e amigos que incentivam os servos de Deus a servir outros deuses e mandou que não concordassem, nem ouvissem, nem olhassem com piedade para aqueles falsos professores (Deuteronômio 13:6-8). Temos que julgar a árvore pelos frutos (Mateus 7:15-20), retendo o que é bom e nos abstendo de toda forma de mal (1 Tessalonicenses 5:21-22).
Uma vez que escolhemos bons amigos, devemos ser bons amigos! As Escrituras nos aconselham sobre as responsabilidades de companheiros fiéis. Amigos contam com a presença uns dos outros: “Mais vale o vizinho perto do que o irmão longe” (Provérbios 27:10). “O olhar de amigo alegra ao coração; as boas-novas fortalecem até os ossos” (Provérbios 15:30). Por outro lado, não devemos abusar da amizade, causando aborrecimentos: “Não sejas freqüente na casa do teu próximo, para que não se enfade de ti e te aborreça” (Provérbios 25:17). Não devemos abandonar nem trair os nossos amigos (Provérbios 27:10). Amigos verdadeiros não são interesseiros, mas aqueles companheiros fiéis que ficam nos bons tempos e nos maus: “Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão” (Provérbios 17:17). A amizade verdadeira traz benefícios mútuos: “Como o ferro com o ferro se afia, assim, o homem, ao seu amigo” (Provérbios 27:17).
As orientações bíblicas são valiosas para nos guiar em fazer e manter boas amizades.
Exemplos de amizades boas e más
Deus nos ensina, também, por exemplos. Três gerações da mesma família servem como exemplos de amizades boas e más. Considere estes casos:
Davi e Jônatas. Talvez a mais conhecida amizade na história seja a de Davi com Jônatas, filho do rei Saul. O ciumento rei tentou matar o jovem Davi, escolhido por Deus como seu sucessor. Pelo mesmo motivo, Jônatas poderia ter olhado para Davi com inveja ou ódio. Se Deus não tivesse nomeado Davi, o próprio Jônatas seria rei depois da morte de Saul. Mas Jônatas não mostrou tais atitudes. Ele manteve uma amizade especial com Davi durante toda a sua vida. Quando Saul tentou matar Davi, foi Jônatas quem protegeu o seu amigo (1 Samuel 20). Davi lamentou amargamente a morte deste amigo excepcional (2 Samuel 1:17-27). Mesmo depois da morte de Jônatas, Davi mostrou bondade para com seu filho aleijado, Mefibosete (2 Samuel 9).
Amnon e Jonadabe. Amnon, um dos filhos de Davi, não escolheu seus amigos como o fez o seu pai. Ao invés de cultivar amizades boas e saudáveis, ele escolheu como companheiro seu primo Jonadabe (2 Samuel 13:3). Quando Amnon falou com este amigo sobre os seus desejos errados pela própria irmã, Jonadabe teve uma oportunidade excelente para corrigir e ajudar o seu primo. Infelizmente, ele fez ao contrário. Ele “ajudou” Amnon a descobrir uma maneira de estuprar a própria irmã! Além de levar Amnon a humilhar e odiar a moça inocente e a magoar profundamente o seu pai (2 Samuel 13:4-21), o conselho de Jonadabe levou, afinal, à morte do próprio Amnon (2 Samuel 13:22-36). Jonadabe até teve coragem de tentar confortar Davi depois da morte de Amnon! Que amigo!
Roboão e seus colegas. Roboão, neto de Davi, se tornou rei depois da morte de Salomão. No início do seu reinado, ele procurou conselho de várias pessoas antes de tomar uma decisão importantíssima. Ele valorizou a amizade com seus colegas acima da sabedoria dos homens mais velhos e experientes (1 Reis 12:7-11). A “ajuda” destes amigos contribuiu para a divisão do reino e diminuiu muito a influência de Roboão. Nossos amigos podem falar coisas que nos agradam, mas devemos dar ouvidos à sabedoria de pessoas mais sábias!
O que aprendemos?
De tudo que a Bíblia fala sobre amizades, devemos aproveitar algumas lições importantes. Entre elas:
ΠEscolher cuidadosamente os nossos amigos, evitando amizades que nos levariam ao pecado.
 Valorizar amigos que nos corrigem quando erramos.
Ž Cortar amizades que prejudicam a nossa vida espiritual, especialmente quando os “amigos” incentivam o pecado e participação em religiões falsas.
 Ser amigos fiéis e de confiança, especialmente nos momentos difíceis quando os amigos mais precisam de nós.
 Sempre manter nossa relação com Deus acima de qualquer amizade humana, confessando a nossa fé no meio de uma geração perversa.
Quando se trata de amizade, devemos valorizar qualidade, e não quantidade: “O homem que tem muitos amigos sai perdendo, mas há amigo mais chegado do que um irmão” (Provérbios 18:24).

Provérbios 17:17 “O amigo ama em todo o tempo; e para a angústia nasce o irmão.”

O Filho Perdido

Lc 15

Jesus nos conta uma história de um homem que tinha dois filhos, um desses filhos um dia pede ao seu pai a sua parte, ele diz: “Dá-me o que é meu por direito, eu quero conhecer o mundo e sair por aí, deixa-me ir”.
E o pai, respeitando seu filho, deu a sua parte da herança, e a palavra diz que ele saiu se perdendo em meio ao mundo, em meio às festas, se distanciando da casa do pai, cada vez mais longe, cada vez mais longe… E eu imagino aquele pai, todos dias indo em busca de um vestígio que pudesse trazer a lembrança de seu filho, com saudade e esperanças daquele filho voltar.
À medida que o dinheiro ia acabando aqueles que se diziam ser seus “amigos”, foram se afastando daquele jovem, e ele acaba se vendo completamente sozinho, sem dinheiro, sem amigos, sem a família. Enquanto isso o pai estava a esperar por ele, o Pai espera por você, Deus espera para abraçar você…
A palavra diz que aquele jovem foi trabalhar cuidando dos porcos, e a bíblia diz que ele chegou a desejar a própria comida dos porcos, e então veio em sua mente uma lembrança, ele disse: “meu pai é um bom empregador, e o mínimo que eu vou ter com meu pai é uma comida digna para eu comer”. E a esperança brotou, e sem olhar pra trás ele sente o desejo de voltar para a casa do pai, “mesmo que eu não seja digno, mesmo que ele não me chame mais de filho, eu volto, mesmo que ele não me veja mais como um filho amado eu volto”
Mas o olhar de Deus por nós é o mesmo, o amor de Deus por nós não muda, mesmo tão distante, tão longe, Deus te chama pra perto!
E aquele jovem voltou, ele voltou para os braços do pai! E quando o pai avista seu filho, na beira daquele caminho, vindo em sua direção ele corre, ele corre, ele corre até encontrar esse filho! E o filho chega com o discurso pronto e diz: “pai eu não sou digno de ser chamado seu filho”
Talvez você, como filho prodigo, pense que você já errou tanto e que não tem mais jeito para você, talvez você pense que Deus não possa levantar mais seu ministério, Deus não pode levantar a minha família, Deus não pode curar a minha vida!!! Mas hoje o Espírito Santo Deus diz para você o Pai quer te abraçar!
E aquele pai abraçando seu filho diz;”filho, filho você tava morto, tava perdido, mas hoje eu te achei.”
Assim é o nosso Deus, um Pai amoroso que nos dá livre arbítrio para que possamos escolher o nosso caminho, mas que também esta sempre disposto a nos perdoar e estender a sua mão em nosso favor!
Não deixe para depois, entregue a sua vida agora mesmo ao Senhor Jesus!
Lembre-se que:

(1) Deus tem compaixão dos perdidos por causa da triste condição deles.
(2) o amor de Deus por eles é tão grande que nunca cessa de sentir pesar por eles e esperar a sua volta
(3) Quando o pecador, de coração, volta para Deus, ele sempre está plenamente disposto a acolhê-lo com perdão, amor, compaixão, graça e os plenos direitos de um filho. Os benefícios da morte de Cristo, a influencia do Espírito Santo e a graça de Deus estão à disposição daqueles que buscam a Deus.
(4) A alegria de Deus pela volta dos pecadores é imensurável.

“Eis que o semeador saiu a semear. E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na. E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda.  Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz. E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na. E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.”

Na parábola do semeador o Senhor Jesus nos exorta a cerca a importância de se ter não só ouvidos atentos a Sua palavra como também um coração aberto e disposto a recebê-la, sintetizando os caracteres predominantes em todas as almas, ao mesmo tempo que nos ensina a distingui-las pela boa ou má vontade com que recebem as novas espirituais.
“E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na.”
A todo o que ouve a palavra do reino e não a entende, vem o maligno e arrebata o que lhe foi semeado no coração; este é o que foi semeado à beira do caminho.
“E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda. “
E o que foi semeado nos lugares pedregosos, este é o que ouve a palavra, e logo a recebe com alegria; mas não tem raiz em si mesmo, antes é de pouca duração; e sobrevindo a angústia e a perseguição por causa da palavra, logo se escandaliza.
“Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz. E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na.”
E o que foi semeado entre os espinhos, este é o que ouve a palavra; mas os cuidados deste mundo e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e ela fica infrutífera.
“ E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.”
Esta parábola nos mostra quatro tipos de terrenos e como é a reação de cada um quando a palavra toca seu solo (coração).

1.Beira do caminho – Há uma guerra acontecendo no reino espiritual ao pregar o evangelho a alguém. Neste contexto, satanás rouba a palavra que é semeada, no mesmo instante em que está sendo semeada.

2.Terreno pedregoso – Recebe a palavra com muita empolgação, mas não se aprofunda em Deus, não se compromete sinceramente, quando vem a dificuldade, a pressão, desisti. Às vezes parece que vai romper. Parece que vai avançar, mas fica só na aparência. Bem, se não tem raiz não vai adiante.

3.Terreno espinhoso – Até permanece por um tempo, porém, o amor pelas coisas do mundo ainda permanecem no coração. Há 5 áreas super perigosas na vida de um cristão. São as seguintes:

a)Sexo – prostituição, pornografia, sensualidades, etc…

b)Vícios – álcool, droga, jogo, etc…

c)Dinheiro – amor ao dinheiro, luxúria, trabalho excessivo por mais dinheiro, dívidas, etc…

d)Orgulho – soberba, arrogância, altivez de coração, prepotência, etc…

e)Religiosidade – práticas espirituais (oração, jejum, comunhão, louvor, leitura da palavra) sem vida, legalismo, hipocrisia espiritual, etc… Estas coisas sufocam a palavra, e ela não produz frutos, pois o coração está dividido com as coisas do mundo.

4.Boa terra – Este é o que recebe a palavra de bom e grato coração. Neste terreno há profundidade, inteireza de coração, perseverança, genuíno arrependimento e sinceridade. Mas acima de tudo, um ardente desejo de ser um Vencedor diante de Deus e dos homens, alguém que faz diferença, que produz frutos.

Não sei se você já teve essa experiência, mas todas as vezes que viajo, seja de carro ou outro meio de transporte, observo o céu e sempre me vem à mente esse versículo. Quando o dia está ensolarado é ainda melhor para admirar e refletir sobre aquela imensidão azul. As nuvens, os campos, os animais, as frutas nas plantações, as flores, tudo o que proporciona uma paisagem maravilhosa foi criado por Deus e faz a nossa vida mais bonita. Não é maravilhoso saber que o Deus Criador de todo o Universo se importa conosco? E no versículo 4 está bem claro que Ele se “preocupa” conosco. Portanto, querido irmão, tenha hoje a certeza de que nada que lhe aconteça passa despercebido diante de Deus. Creia que para o Deus Todo-Poderoso você é muito importante. Ele sabe e vê todas as coisas. Não se sinta só, pois Ele governa o Universo mas, acima de tudo, está preocupado com os detalhes da sua vida.

Sheila Dias
Levita

Nuvem de tags